sábado, 26 de agosto de 2017

A ESTUPIDEZ DA IGUALDADE DE GÉNERO


Depois do fracasso mundial que foi a luta de classes do comunismo que mais não conseguiu do que criar os maiores genocídios, fome e miséria de que há memória à conta da implementação forçada dessa ideologia marxista, eis que estas mentes brilhantes, financiadas pelo criminoso Soros, logo inventaram outra forma de divisão entre grupos: o marxismo cultural.  Através da ideologia do pensamento único formatam os indivíduos para libertar as bestas que há neles, sem qualquer limite e revoltarem-se contra as sociedades organizadas e defensoras de valores. O resultado, não podia ser mais nefasto e absurdo. Hoje, com a preciosa ajuda dos ignorantes do politicamente correcto, defende-se coisas que assustam um susto. Então não é que afinal não há segundo eles nem homens nem mulheres mas sim géneros? Bem, creio que a esta hora a Mãe Natureza (ups! mãe não porque não existe maternidade, mas sim parentalidade!) já desmaiou com esta insanidade! Pois é. Estas criaturas que se opuseram ao binário homem/mulher criaram em alternativa 71 géneros diferentes de seres. Veja aqui só alguns. Não é de génios?
Alegam que o fazem em defesa da  igualdade e integração de minorias. Tretas. Não é por acaso que lhes chamam de “Temas Fracturantes”. A ideia é mesmo criar fissuras, guerras, fracturas sociais. Se assim não fosse não instigariam as maiorias ofendendo-as no seu direito a não ser o que eles impõem obrigando-as a aceitar tudo sem oposição em vez de dialogar sobre o assunto e criar condições de entendimento e respeito. Na verdade, trata-se de uma espécie de “Sharia Ocidental” onde só se é livre de pensar como eles, agir como eles caso contrário somos rotulados. É a ditadura do pensamento imposto com recurso à violência verbal.
Acontece que a biologia humana, por muito que a contestem, não mudará sua natureza só porque assim o desejam. Nascemos efectivamente homem ou mulher. Ponto. Esta é a nossa natureza. Mas então, perguntarão e bem, porque há homens  femininos e mulheres masculinas? A razão prende-se com os níveis de testosterona que o feto recebe durante o seu desenvolvimento. Se for equilibrado, temos um homem ou mulher bem definidos. Se não, temos o inverso. Por isso há mulheres que são autênticos homens no aspecto e na maneira de ser e vice-versa. Nada mais do que isso. Mas mesmo dentro daqueles considerados “normais” haverá senhoras com grandes aptidões masculinas (veja aqui) e homens com grandes aptidões femininas. O segredo está nos níveis de testosterona que cada um recebeu na concepção. Tudo perfeitamente normal. Além disto, nascemos com cérebros diferentes (veja aqui). Logo, comportámo-nos de forma divergente. Claro que a natureza ás vezes confunde-se e nascem os hermafroditas. Mas isso é outro assunto.
A Comissão Igualdade Género, criada nos tempos ditos modernos, não é mais do que o conceito reinventado da PIDE, devidamente legitimado pelos governos socialistas para assegurar que a ditadura do pensamento único prevaleça sobre a vontade das pessoas. Queres ser e pensar como menino ou menina? Não podes! Tens de ser SEM GÉNERO DEFINIDO! Então se a Porto Editora faz uns meros livritos de actividades para tempos livres azuis e cor de rosa para um mercado interno de gente que aprecia as diferenças, sai uma ordem imediata para a sua destruição. Sim, ouviu bem. Destruição. Não se discute o assunto. Não se propõe alterações. Mas se for um João Quadros a referir-se num órgão público de forma ordinária às mulheres, é humor. Ouviram-nas a exigir sua demissão? Claro que não. Não se passa nada.
Mas a hipocrisia da CIG vai mais longe. Enquanto luta para que supermercados deixem de ter brinquedos separados de menino e menina, vestem seus filhos na praia com calções azuis e bikini cor de rosa. Não se indignam com as fábricas e lojas que contratam exclusivamente mão de obra feminina, dos canais televisão e revistas só femininos com nomes femininos, das 99% de lojas nos Shoppings só femininas, dos papeis nas novelas desempenhados exclusivamente por mulheres para desempenhar papeis de mulher em vez de serem  os LGGBDTTTIQQAAPP. Então? Em que ficamos? Não se indignam com esta desigualdade? Sinceramente também ainda não percebi do que estão à espera para exigirem o fim dos adjectivos sexistas na gramática portuguesa. Já agora…
A verdade é que a CIG quer acabar com o machismo dos homens para o substituir por machismo feminista. Só isso. O resto é folclore.
Há quatro décadas atrás, no meu tempo de meninice, não havia estas comissões da treta. Estive submetida às “atrocidades” de haver coisas de meninos e meninas, azuis e cor de rosa, de forma bem vincada. No entanto nunca pedi que me comprassem uma boneca. Mas fazia birras para ter peluches e brinquedos da playmobile. Mais tarde, minha filha mais velha, hoje com 31 anos, sujeita também a essa “crueldade”, também só pedia gameboys, sega-mega drives, tartarugas ninja, legos e super-heróis, (mesmo com a TV no horário infantil a bombardear com publicidade separada de brinquedos, em intervalos de quase 20 min.). A única boneca autorizada por ela foi a barbie mas só para expor no quarto como colecção. Tinha mais de vinte… Como foi possível escapar a esta “tortura” sem mazelas psicológicas  graves sem uma CIG?
Quando os pais deixam as crianças livres para escolher, não há nada mais poderoso. É no berço, na forma de educar que tudo se determina. Não são necessárias imposições estúpidas e inquisitivas de uma Comissões da treta para haver igualdade. Basta respeitar a liberdade individual de cada criança e deixá-las fazer suas próprias escolhas de acordo com sua personalidade.
Porque igualdade não é sermos todos cinzentos. É termos a liberdade de sermos o que quisermos.

39 comentários:

  1. Inteiramente de acordo ;Mulheres que dizem as verdades,já que não temos Homens que o façam ...

    ResponderEliminar
  2. Que bela maneira de distorcer tudo! A CIG não pretende tornar os géneros iguais, mas sim a tolerância e respeito pelas diferenças entre os géneros. A expressão "igualdade de género" refere-se à igualdade de direitos independentemente do género. Para ser simples, visto haver aqui um problema de raciocínio, a CIG quer que uma rapariga possa ser camionista se assim o entender sem sofrer discriminação por causa disso. Ou que um rapaz fique em casa a tomar conta dos filhos se assim o entender e que a lei lhe permita a licença no trabalho. A CIG pretende que uma mulher ganhe o mesmo que um homem por fazer o mesmo trabalho. E que um homossexual não seja apontado como uma aberração e despedido do seu trabalho. São exemplos, espero que tenha entendido. Nunca a CIG quis que rapazes e raparigas fossem iguais a não ser nos seus direitos. E nas suas escolhas. Se assim o entenderem. A ignorância é uma escolha. Devemos escolher estar informados. Bom dia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vara SaoAlves: Ja tive a oportunidade, como profissional de saude, de ter diversas reuniões com a CIG dirigentes, e confirmo que a SIG é apenas uma agencia de propaganda politica e pressão ideológica, e pelos vistos de censura. Está apenas interessada em explorar a indignação com os problemas e não em resolvê-los. Quer uma prova simples? A grande campanha da CIG é contra a discriminação salarial e constatemente afirma ter dados que confirmam inúmeros casos. Então, se a discriminação é ilegal, a CIG conhece tantos casos e tem provas, porque é que não denuncia NENHUM caso, nem apoia as vitimas parrocinando a sua queixa em tribunal? Só pode ser por conivência ou conveniência. Ou por hipocrisia, acrescento eu. Explique lá.

      Eliminar
    2. São Alves, negativo. Ao quererem a UNIFORMIDADE que tem APAGAR traços que DEFINEM os géneros. Esse é o problema. Vá ver as t-shirts à venda na página do Facebook das Capazes. Vá. E depois volte cá pra comentar o q viu. Não. Não se trata meramente de igualdade de direitos como no meu tempo. Esta NOVA IDEOLOGIA DE GÉNERO pretende a NEUTRALIDADE. É muito muito diferente

      Eliminar
    3. Que comentário tão ignorante, São Alves
      (Desculpe... o mais provável mesmo, é que seja tendencioso!...)

      Eliminar
    4. A srª Crisitina Miranda anda equivocada. É precisamente para cada um ser e se comportar de acordo com o seu género que existe igualdade de género. Falar em igualdade de género é tão e só não existir etiqueta colorida para cada sexo, é não definir à partida como é que uma menina ou um menino se devem comportar. O resto são as habituais confusões (alguns, chamam-lhe manipulações) que certa direita conservadora gosta de lançar para o ar internetiano.

      Eliminar
    5. Sou a favor da igualdade de direitos obrigações entre generos( ja esta definido na constituição, e instituições que as deverão fazer cimprir). Censurar sem argumento valido leva-nos ao principio de outros extremos como ja se vê numa Coreia do Norte ou Venezuela.

      Eliminar
    6. Se a CIG quer que a mulher possa conduzir um camião ou um homem que fique em casa a cuidar dos filhos e da lide doméstica, então, a CIG não tem razão de ser, pois isso há muito que é possível e há muito que existe.
      Se pretendem igualdade de salários dentro das mesmas funções e organizações, força... denunciem as empresas que pagam honorários diferentes para o mesmo trabalho, mas não comparem o salário de um homem numa empresa com o da mulher em outra empresa, ou dentro da mesma empresa, o de um técnico superior com o da Sra das limpezas.
      No plano da família, porque é que a CIG não luta também por quotas na paternidade? Uma quota mínima de famílias monoparentais com a residência dos filhos junto com o pai e com a mãe como "visita" de 15 em 15 dias...
      Ou melhor, a CIG lutar pela residência alternada e a guarda partilhada, que seria o ideal...

      Eliminar
  3. Há incorreções neste texto mas nem me vou dar ao trabalho de as comentar porque quem escreve desta maneira não está aberto a ver as coisas noutra perspectiva que não a sua. O problema dos manuais não era apenas a cor das capas - isso não me choca e não vejo problema nisso. O problema dos livros era partir do princípio que as mulheres estão destinadas à lida da casa ou a atividades pouco ambiciosas, enquanto os homens é que podem ser cientistas. Na sua visão, a verdadeira mulher é estupida e o verdadeiro homem é o Inteligente. Combater esta ideia de pre-definição dos papéis homem/mulher é o papel da comissão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Primeiro: sou 1 mente aberta a qualquer se Não não vinha aqui responder. Segundo: está a distorcer porque de facto houve abordagem ao cor de rosa e azul. Terceiro: sou do tempo em q meninas eram preparadas para,serem boas donas de casa. No entanto isso nem me traumatizou nem condicionou o meu percurso. Carreguei camiões como os homens numa indústria. Fui dar aulas a seguir, depois fui directora financeira e por fim fui empreendedora. A que se deveu isto? Apenas e somente graças aos meus pais q me deixaram SEMPRE livre de fazer minhas escolhas. Isso também se aplica aos maridos, claro. É na EDUCAÇÃO QUE RECEBEMOS DE CASA q está o cerne da questão. Lutar por DIREITOS IGUAIS como já o faziam no século IX? Sim! Por igualdade de géneros uniformizando tudo de modo a deixar de haver o binómio feminino/masculino, NÃO!

      Eliminar
    2. Carla Pinelas!! que exagero!! só foi a cena do grafico, e uma estante.. claro o grau de dificuldade de via ser igual.. mas só!! capas diferentes (eu acho que é para as editores ganhar mais algum e os livros não passar para outros alunos.. teriam que ter o mesmo sexo) agora só pelo labirinto e prateleira é submeter a mulher a domestica?!! Meu Deus parece a piada do optimista ganhou uma lata de bosta saltou que ganhou um cavalo!!! e tu com essa imaginação não pensaste que te querem manipular e mandar como tu pensas?!! e da sociedade claro!! oh lê outra vez a cronica da cristina!! ahh tu nem viste os manuais e começaste logo a dar bitaites :P doutrination.. ;)

      Eliminar
    3. Vejam por favor a intervenção e análise de Ricardo Araujo Pereira, no último programa Governo Sombra na TVI sobre o tema...A senhora Carla Pinelas deve estar provavelmente enganada... Aconselho vivamente que veja o estudo e a crítica (muito séria) do conhecido e inteligente humorista :)

      Eliminar
  4. Citando George Orwell (um visionário em quase tudo): "Descemos hoje a um nível tal em que a reafirmação do óbvio se tornou um dever das pessoas de bom senso".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "A reafirmação do óbvio" está até a tornar-se um acto de coragem que pode, nesta ditadura ideológica em que vivemos, custar-nos o emprego, o negócio, a reputação ou a integridade, como já se vê a acontecer em Espanha e outros países onde a ideologia de género já contaminou os governos. Está a chegar a Portugal. É uma ideologia! Não tem qualquer suporte científico. Uma ideologia marxista que substituiu a luta de classes pela luta dos "géneros" e que está a minar a estrutura básica da existência da espécie humana. Como qualquer ideologia, será imposta "à força" por leis que atingirão a educação das crianças retirando aos pais o poder sobre os seus filhos, como numa verdadeira ditadura. Quem pensa que é livre, desengane-se!

      Eliminar
  5. O feminismo não defende a superioridade da mulher nem sequer defende que os géneros são 'iguais'. Defende a igualdade de direitos, o que é diferente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não está certamente a falar do feminismo radical que impera nestes conceitos aberrantes, pois não?
      O feminismo até é um equilibrado movimento para a igualdade, mas o que o está até a abafar é o radicalismo dos que usam esse conceito, junto com uns pontinhos de vitimismo, umas lágrimas de fúria em histerismo, uma pitada de ódio apimentado com uma frustração de saber que não há razão...
      Um feminazismo... É o que se refere como equilibrado.
      Até feministas equilibradas estão a lutar pela igualdade e já largam o termo abusado do feminismo, como nome do movimento que representam.

      Eliminar
  6. Vigiam-nos. Estão atentos. Estão de serviço. Mobilizados pelo pensamento único, uma nova forma de vida. Nunca se cansam. São ferozes na vigilância, implacáveis na perseguição, sonoros na censura. A nova cartilha e os seus mandamentos não incluem desvios. A nobre arte de debater, a esgrima dos argumentos, a relevância da dúvida, o valor da discordância, estão proibidos pela própria natureza da subversão civilizacional em curso.

    Maria João Avillez

    ResponderEliminar
  7. Infelizmente assim é. Estas senhoras feministas aínda não repararam que a maioria dos estudantes universitários são mulheres, a maioria dos professores são mulheres, a maioria dos médicos são mulheres, a maioria dos enfermeiros são mulheres, a maioria dos psicólogos são mulheres, e por aí fora...
    Possivelmente, não possuo valores, a maioria dos juristas são mulheres...
    A forma de pensar das feministas é, para mim, um complexo de inferioridade do qual elas, para seu e nosso bem, se devem libertar. Por mim, a natureza é sábia porque criou homens e mulheres... e cada um com a sua idiossincrasia. Vivam as mulheres, vivam os homens. Viva a humanidade.

    ResponderEliminar
  8. Eu com a minha rarissima ignorância costumo dizer que sou machista! Então passámos milhares de anos a desenvolver-mo-nos para chegar-mos a homo sapiens sapiens e em 100 anos desenvolve-se mulher sapiens sapiens? A sério? Somos um bolo.. uns farinha, outros água, outros açúcar.. diferentes ingredientes para um todo! A preguiça de ñ querer fazer o bolo é que leva a isto.. pois eu ñ quero trabalhar mais nisto ou naquilo porque alguem não o faz e ganha mais que eu! Humildade meus caros é o que nos falta a todos!!!

    ResponderEliminar
  9. Eu com a minha rarissima ignorância costumo dizer que sou machista! Então passámos milhares de anos a desenvolver-mo-nos para chegar-mos a homo sapiens sapiens e em 100 anos desenvolve-se mulher sapiens sapiens? A sério? Somos um bolo.. uns farinha, outros água, outros açúcar.. diferentes ingredientes para um todo! A preguiça de ñ querer fazer o bolo é que leva a isto.. pois eu ñ quero trabalhar mais nisto ou naquilo porque alguem não o faz e ganha mais que eu! Humildade meus caros é o que nos falta a todos!!!

    ResponderEliminar
  10. As imprecisões cientificas deste texto são graves. O facto de a senhora afirmar que o que faz uma pessoa mais masculina ou mais feminina é a quantidade de testosterona revela um ignorância demasiada para merecer qualquer tipo de resposta a qualquer outra coisa que tenha dito. Vá estudar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Reitero. Os níveis testosterona e estrógeno no feto estão na base, sim! Vá você estudar! Quanta literatura médica e científica quer q lhe ponha aqui sobre o assunto? Fazer contraditório não é chegar aqui, chamar as pessoas de burras e seguir sem justificar.

      Eliminar
    2. Sim. Reitero. Os níveis testosterona e estrógeno no feto estão na base, sim! Vá você estudar! Quanta literatura médica e científica quer q lhe ponha aqui sobre o assunto? Fazer contraditório não é chegar aqui, chamar as pessoas de burras e seguir sem justificar.

      Eliminar
  11. Viva a diversidade, riqueza são diferentes, ninguém é igual a ninguém. Viva a androgenia !!!

    ResponderEliminar
  12. Muito, muito bom texto. Felicitações, Cristina Miranda. Tão simples e tão elementar. Sobretudo, para além de clivangens direita / esquerda a que as mentes fracturantes querem accoter a defesa das suas causas ideológicas.
    E sim, há estudos que demonstram que rapazes e raparigas têm naturalmente apetências diferentes, desde cedo. E como os ditos estereótipos nunca fizeram mal a ninguém, estão aí as mulheres, femininas, mais viradas para as engenharias e as matemáticas (ditos feudos varonis ) e homens citados para as coisas estéticas, gestões de conflitos e pessoas (aptidões ditas mais feminis). Tenho uma filha de 9 anos bem menina mas que se dá melhor com rapazes, gosta de peluches mas também jogos de computador de meninos, com uns tiros. E prefere calças unissexo, de ganga. Tem um coração doce e sensivel, mas para organizar e assumir alguma liderança nos seus iguais não há pai para ela. Será ela de um desses 70 e tal géneros alternativos?
    Que bom sermos todos diferentes e não haver coisas estanques e que o humano não se reduz a estes maniqueísmos.

    ResponderEliminar
  13. Adorei, adorei e adorei!!!!!!!! Eu cá deixo o meu filho pintar as unhas com as irmãs e até agora a testosterona não diminuiu. Antes pelo contrário. A estratégia dele: conhecer o cérebro feminino para, quando chegar a altura, "atacar" como um verdadeiro MACHO LATINO!!!! Acho engraçado é que ainda ninguém verificou o denominador comum entre as pessoas que "gritam" tais direitos de igualdade.... Parabéns pelo artigo. As sociedades (pseudo) desenvolvidas estão cada vez mais ridículas.

    ResponderEliminar
  14. Um belo artigo que importa partilhar. Temos de combater a estratégia marxista agora defendida por uma classe que nunca teve calos nas mãos e que lança homens contra mulheres, crianças contra adultos, trabalhadores contra patrões etc. Esta guerra civil permanente é o "modus operandi" do marxismo cultural, cujo fim último é a destruição da sociedade. Tudo, claro está, em nome da sacrossanta "Liberdade".
    De certeza que os Reis Ghob deste país apoiam estas propostas do marxismo cultural.

    ResponderEliminar